Like A Dragon Infinite Wealth – Análise da Central

A Central Xbox possui parceiros, que ajudam a manter nosso canal em funcionamento. Se você comprar algum produto ou serviço de algum link dentro do nosso site, nós podemos ganhar uma comissão.

Like a Dragon: Infinite Wealth é o novo jogo da série anteriormente conhecida como Yakuza, desenvolvido pela Ryu Ga Gotoku Studio e distribuído pela SEGA. O título nos coloca no controle do nosso querido e amado Kasuga Ichiban, protagonista da aventura anterior, enquanto procura por sua mãe desaparecida nas paradisíacas terras havaianas. O jogo aprofunda em seus refinamentos em comparação ao anterior resultando em uma fórmula de ‘estupidez’ excelente, enquanto outros não são tão bem apresentados e executados, afinal, nada é perfeito. Passar um tempo com Ichiban e seus amigos no ensolarado Havaí e além é um verdadeiro deleite. É um JRPG maravilhoso e feliz que nunca deixará de alegrar o seu dia. Assim como ele tornou a minha jogatina mais leve e satisfatória. Obrigado por existir, Kasuga.

Infinite Wealth começa com Ichiban e seus amigos levando vidas normais, tendo escapado do caos do crime organizado… isto é, até serem arrastados de volta por um encontro casual. Não vou entrar em detalhes, pois prefiro não estragar um monte de histórias para vocês, mas diria que a atração inevitável da yakuza é particularmente bem feita aqui e evita recorrer ao clássico “nós terminamos da prisão novamente, rapazes” muleta muito usada no passado. Em vez disso, envolve a presença cada vez menor da yakuza no Japão – um sinal dos tempos – e tem o toque emocional de um mistério familiar. Acontece que a mãe de Ichiban está no centro de tudo, com a primeira pista colocando-a em algum lugar do Havaí.

A chegada de Ichiban às praias ensolaradas do Havaí o afasta delicadamente de seu grupo estabelecido e, a princípio, limpa a lousa. Não é apenas emocionante quando você recruta novos amigos – um motorista de táxi que rouba você sob a mira de uma arma e uma garota que… também rouba você – é maravilhoso descobrir como suas histórias se entrelaçam com o passado de Ichiban e, possivelmente, com seu futuro. Ah, e Kiryu também está de volta! Exceto que é realmente muito triste porque ele reconhece desde o início que está sofrendo de câncer e não terá muito tempo de vida. Eu estava preocupado que ele tivesse sido escolhido como protagonista jogável e membro do grupo só por fazer. Mas não, ele não só é um bom pai do grupo, como sua inclusão é uma despedida no melhor sentido. Ele finalmente aceita suas vulnerabilidades e está cercado por novos e velhos amigos.

O que é maravilhoso no Havaí é como ele complementa perfeitamente a personalidade de Ichiban e, até certo ponto, da Yakuza como um todo. Ele explode em cores – talvez até demais, já que o contraste pode cegá-lo durante o dia – e tem vários bairros com shoppings reluzentes, barracas de surf, quiosques e um mar azul onde você pode realmente nadar. Você pode visitar alguns locais favoritos da Yakuza, caminhar por seus caminhos costeiros ou entrar em um busão sem nada em mente além de aproveitar o brilho laranja do sol definir. Assim como Ichiban irradia positividade, Honolulu também irradia.

Mais tarde, você passará um tempo com Kiryu em Yokohama enquanto ele marca as coisas em sua lista de desejos. É uma maneira legal de remixar a familiaridade de Yokohama através das lentes de uma lenda que se retira – um homem que não apenas transmite conhecimento à gangue original de Ichiban, mas também mostra o quanto todos os outros ao seu redor amadureceram. Para aqueles que focam na história, os caminhos de Ichiban e Kiryu proporcionam todo o melodrama e acessos ocasionais de bobagem e dramaticidade que você poderia desejar.

Para reforçar ainda mais alguns temas, Ryu Ga Gotoku dobra seus sistemas de RPG introduzidos em Yakuza: Like a Dragon. Esse jogo trocou brigas em tempo real por batalhas por turnos para sublinhar a obsessão de Kasuga por RPGs que permitem aos jogadores crescer com o tempo. Embora essa meta camada seja menos pronunciada aqui, o sistema foi ajustado um pouco para abordar um tema diferente: o poder da amizade.

A interação entre os membros do grupo é uma parte importante das batalhas desta vez. Ao aumentar o nível dos laços sociais por meio de conversas colecionáveis ​​​​e bate-papos em bares, os membros do grupo ganham vantagens passivas que funcionam junto com ataques e feitiços tradicionais. Eles atacarão automaticamente os inimigos abatidos com mais frequência e serão capazes de realizar ataques combinados com o posicionamento adequado (outro sistema que o Infinite Wealth ajusta de forma inteligente, permitindo que os personagens se movam dentro de um raio circular durante os turnos). É tudo mais um reflexo inteligente do personagem de Kasuga. Ele é um herói de olhos brilhantes que mantém seus entes queridos por perto e acredita no poder do trabalho em equipe. As batalhas enfatizam melhor isso no sistema reformulado.

Isso representa uma pequena oportunidade perdida quando se trata dos capítulos de Kiryu. Alguém poderia pensar que sua atitude isolada seria uma oportunidade perfeita para deixar sua metade da história no antigo estilo de combate solo da Yakuza. Embora esse não seja o caso, Ryu Ga Gotoku engenhosamente evoca isso na habilidade final de Kiryu, na qual ele sai do combate por turnos e começa a socar em tempo real por um momento. Esse movimento substitui a habilidade contrastante de Kasuga, onde todo o seu grupo se une para um ataque de alto dano que derrete as barras dos chefões. É uma pequena mudança, mas que resume efetivamente a diferença entre os dois heróis.

Tudo o que funcionou em Yakuza: Like a Dragon continua se destacando em Infinite Wealth. A personalização de equipamentos é profunda, Poundmates cria convocações consistentemente histéricas e animações mágicas são sempre um passeio selvagem. O sistema de trabalho característico do jogo anterior também retorna com um toque havaiano, trazendo mais absurdos lúdicos às brigas. Quem não quer ver o surfista Kiryu atacando os inimigos com uma prancha de surf movida a foguete?

Like a Dragon: Infinite Wealth é um jogo muito divertido e altamente bem feito, com uma trama envolvente e personagens adoráveis. Além disso, ele é um JRPG muito competente e recheado com conteúdo, seja em suas mecânicas principais ou nos diversos minigames e atividades secundárias. Um de seus grandes pontos negativos é que a política de DLCs aplicada limita o título significativamente, colocando coisas que deveriam ter sido parte da experiência como algo que devemos pagar para receber. Isso não é algo bom, já que o preço dos jogos em nosso país já os tornam quase como artigo de luxo e decisões como essa fazem com que essas edições extras sejam ainda mais caras.

Mas fora os pesares, Infinite Wealth é tudo que eu queria de uma sequência de Yakuza: LAD. Ele refina e expande muitas das pontas soltas ou partes subexploradas do RPG do jogo anterior, levando você para o maravilhoso Havaí no processo. Sim, pode ser um pouco expansivo para alguns, mantém algumas das peculiaridades mais irritantes de Yakuza e não é um RPG no sentido de tornar a história de Ichiban totalmente sua. Mas a história que ele conta e as aventuras que você vive são sinceras e engraçadas e contadas com muitos detalhes. E só para encerrar, eu irei repetir: Obrigado por existir, Kasuga.

Só na Very Hard Games você compra Game Pass Ultimate, Live Gold e Cartões Presente com os melhores preços do Brasil. Além disso, você pode adquirir os jogos lançamentos em até 3x sem juros no cartão com a garantia e segurança que só a VHG proporciona para você.

Gui Marques
Gui Marqueshttps://centralxbox.com.br
Redator, apaixonado por filmes de terror, HQs e música ruim. Jogador e defensor do Xbox nas horas vagas.
218,212FãsCurtir
34,676SeguidoresSeguir
7,442SeguidoresSeguir
83,600InscritosInscrever

LEIA MAIS