Prince of Persia: The Lost Crown – A Análise da Central

A Central Xbox possui parceiros, que ajudam a manter nosso canal em funcionamento. Se você comprar algum produto ou serviço de algum link dentro do nosso site, nós podemos ganhar uma comissão.

A franquia Prince of Persia faz um brilhante retorno com uma nova roupagem. Oferecendo um jogo metroidvania estiloso, bonito e com muita personalidade, além do principal; qualidade. A Ubisoft Mountpellier, a mesma que nos trouxe os excelentes Rayman Origins Rayman Legends, demonstrou aqui sua boa aptidão das tendências modernas do gênero, com destaque para a ótima movimentação do protagonista e combate exigente. E nos entregando um título memorável para o gênero e um dos melhores jogos da Ubisoft nos últimos anos.

ENREDO 

The Lost Crown nos coloca na pele de Sargon, o mais jovem de um grupo de guerreiros de elite conhecido como Imortais, que é liderado pela Rainha Thomyris, da Pérsia. Não demora muito até que somos informados que o filho da Rainha, o Príncipe Ghassan, foi sequestrado, e a principal suspeita é Anahita, uma das guerreiras dos Imortais. Sargon e os demais Imortais são enviados em uma missão de resgate, que os leva ao Monte Qaf, um lugar misterioso e lar do Deus do Tempo e do Conhecimento, Simurgh, que está desaparecido há 30 anos. Após algumas reviravoltas, Sargon se vê  traído pelos Imortais e deixado no fundo de um poço. É uma queda espetacular em desgraça para Sargon – ele foi enquadrado por algumas escórias certas – e que resulta em uma fatia de ação de plataforma constantemente atraente e maravilhosamente bem trabalhada dos maestros da Ubisoft Montpellier. 

JOGABILIDADE

Sargon é um personagem muito ágil, cujo atletismo faz dele um dos heróis mais ágeis e responsivos em um estilo metroidvania desde que Ori entrou em cena pela primeira vez em 2015. É prazeroso manobrar o personagem, não apenas quando você está fugindo de poços de espinhos, pulando paredes em caminhos florestais carregados de espinheiros ou realizando saltos mortais de última hora sobre pântanos venenosos nos esgotos. O simples fato de jogar já é prazeroso. Você estará armado com seu confiável par de espadas (e, eventualmente, um arco-chakram para ataques à distância), ele também é hábil quando se trata de combate, provando ser uma força de resgate que fazem de você um exército de um homem só enquanto tenta salvar Príncipe Ghassan de um traidor nefasto dentro de seu próprio grupo de companheiros guerreiros superpoderosos. 

A velocidade com que Sargon pode combinar golpes de espada com jogadas de esquiva, executar uma defesa de última hora e, em seguida, lançar-se de volta à briga com um chute certeiro na parede quase o faz parecer um verdadeiro dançarino de balé no meio do combate brutal e… divertido! Nunca há a sensação de que você está lutando contra a maneira como ele se move ou tentando dominar um personagem que não foi feito para esse tipo de acrobacia. Eu já disse o quanto a jogabilidade é prazerosa e divertida?

A nova mecânica principal a esse respeito é a habilidade ‘Memory Shard’, que permite que você pressione seu D-Pad para fazer uma captura de tela que é automaticamente adicionada à sua localização no mapa. É tão simples, tão brilhante e acredito que é uma progressão natural das funções de captura de tela encontradas em jogos posteriores de Assassin’s Creed. Com a capacidade de marcar quebra-cabeças ou tesouros dessa maneira, ou simplesmente marcar uma rota que você não tem habilidade para percorrer agora, Prince of Persia: The Lost Crown torna tudo mais fácil e prático sem entregar tudo de mão beijada para o jogador. 

Também temos os amuletos do jogo – itens colecionáveis ​​que ajustam e melhoram todos os tipos de aspectos do jogo, como poder de ataque e saúde máxima, ao mesmo tempo que oferecem novos movimentos, como esquivas chamativas, explosão de inimigos e muito mais. Além de tudo isso, um menu de acessibilidade abrangente permite que os jogadores ativem uma mecânica inteligente de assistência de plataforma que o transporta por seções complicadas, além de fornecer escala de HUD, modo de alto contraste, assistência de alvo e controles deslizantes para danos. entrada e saída. Caraca, é tanta coisa… você pode até alterar as janelas de esquiva, os tempos de desvio e a rapidez com que o Athra – usado para carregar os ataques especiais – é acumulado. Eles de fato pensaram em tudo.

AMBIENTAÇÃO e EXPLORAÇÃO

O jogo surpreende com o tamanho de seu mapa. São 13 biomas diferentes, e um trabalho gigantesco por parte da Ubisoft. Boa parte do meu tempo no jogo foi explorando esses locais, derrotando inimigos, encontrando segredos e apreciando as belas paisagens de fundo. Para garantir uma experiência acessível para todos os jogadores, são oferecidos dois modos de orientação: Exploração ou Guiada. O primeiro você deve descobrir as informações por si mesmo, enquanto a segunda opção oferece alguns ícones sinalizando os próximos objetivos, bem como caminhos bloqueados e afins.

Não pense que os bons elementos de plataformas entre as lutas sejam menos brilhantes. O Monte Qaf é um enorme reduto para a Ubisoft Montpellier alongar seus músculos afiados em Rayman Legends, e eles não decepcionam. No clássico estilo Metroidvania, você irá descascar as camadas desta cidadela gradualmente ao longo do tempo, com novas habilidades desbloqueando novos caminhos e segredos para você saquear ao longo do caminho. Mas o ritmo com que novas ideias e reviravoltas cada vez mais inovadoras no conjunto de poder em evolução de Sargon são apresentados a você é tão revigorante em uma época em que a maioria dos grandes sucessos de bilheteria são reduzidos a uma polegada de suas vidas. Este é claramente um jogo que não tem medo de mostrar os dentes e, ao fazê-lo, é capaz de proporcionar momento após momento de uma deliciosa alegria infantil enquanto você descobre como navegar em suas façanhas aparentemente impossíveis de pular paredes e correr no ar e até mesmo saltar dimensões para alcançar terreno sólido novamente.

O jogo também oferece um sistema de viagem rápida entre plataformas desbloqueáveis, que é bem útil a partir do meio do jogo, onde precisamos nos deslocar por grandes espaços. No entanto, não é possível acessá-los do mapa, somente entre elas. Há uma explicação narrativa para isso. Outra mecânica interessante são os Amuletos, que oferecem habilidades e atributos diferentes, personalizando as experiências de cada jogador.

RESUMO

Prince of Persia: The Lost Crown é um retorno às raízes desta franquia que oferece ação inteligente em 2,5D envolvida em um estilo de arte encantador e uma história satisfatória. Há um equilíbrio inteligente aqui entre níveis de ação e desafio mais old school, combate mais sofisticado e quebra-cabeças bacanas, tudo misturado com opções de acessibilidade e ajustes finos que abrem as coisas para novatos e jogadores casuais. 

O jogo é uma excelente reinvenção do que um jogo Prince Of Persia pode ser, bem como um metroidvania de plataforma de alto nível por si só. Ele traz tantos detalhes bem-vindos ao gênero para torná-lo amigável e acessível, ao mesmo tempo que oferece aos jogadores um desafio substancial e intransigente para realmente testar sua coragem. É realmente um jogo muito recomendado por mim e que não pode deixar passar em branco se você gostou de Ori ou Hollow Knight (ou ambos). Depois de anos de jogos indie dominando o espaço metroidvania, é animador ver a equipe de Montpellier da Ubisoft se reerguer, entregando um dos melhores jogos do gênero e da Ubisoft nos últimos anos.

 

Só na Very Hard Games você compra Game Pass Ultimate, Live Gold e Cartões Presente com os melhores preços do Brasil. Além disso, você pode adquirir os jogos lançamentos em até 3x sem juros no cartão com a garantia e segurança que só a VHG proporciona para você.

Gui Marques
Gui Marqueshttps://centralxbox.com.br
Redator, apaixonado por filmes de terror, HQs e música ruim. Jogador e defensor do Xbox nas horas vagas.
218,212FãsCurtir
34,676SeguidoresSeguir
7,442SeguidoresSeguir
83,600InscritosInscrever

LEIA MAIS