Uma sequência digna! Lost Judgment

Desenvolvido pela Ryu Ga Gotoku Studio e publicado pela SEGA, Lost Judgment nos traz uma gameplay frenética como sempre e uma ótima história. O nosso time invadiu a máfia japonesa fez uma grande análise e o resultado dessa experiência você confere agora.

História

Os jogos da saga Yazaku sempre tiverem foco na história e no combate frenético, em Judgment não foi diferente, e agora na sua sequencia continuamos com o mesmo feeling.

A história de Lost Judgment está diretamente ligada ao jogo anterior, inclusive a pessoa pode acabar tendo vários spoilers logo nos primeiros minutos, eles até tentam dar uma ”explicada” sobre alguns personagens para entender um pouco, mas mas isso acaba gerando spoilers de qualquer maneira.

Seu personagem continua sendo Takayuki Yagami e agora você vai lidar com assuntos bem pesados como abuso sexual, bullying além claro dos assassinatos a sangue frio, sua grande missão é descobrir o que aconteceu já que dois crimes aconteceram simultaneamente e tudo indica que pode ser a mesma pessoa, mas como a mesma pessoa pode estar em dois lugares ao mesmo tempo?

No meio de toda essa confusão que a história realmente começa, você tem que investigar vários lugares e pessoas e a cada momento que passa acabam aparecendo novas evidencias que apontam para mais de um suspeito, cabe Yagami usar seu extinto e contar com ajuda dos seus amigos para solucionar mais um mistério.

O jogo tem uma duração aproximada de 22 horas se fizer apenas a história, com as side quests espalhadas pelo mapa ele pode passar das 45 horas.

Lost Judgment

Jogabilidade Lost Judgment Lost Judgment

A jogabilidade é um dos pontos mais fortes do jogo, principalmente por seu combate super frenético e cheio de movimentos digno de um Samurai.

Agora temos três estilos de combate (garça, tigre e cobra) que pode ser trocado de acordo com o desafio, garça é mais efetivo contra uma grande quantidade de inimigos, tigre é mais focado no 1×1 e o novo estilo é o da cobra que o foco no enfrentamento de inimigos que portam algum tipo de arma.

Ele tem mecânicas de combate bem simples e satisfatória, não existe nada mais legal que sair dando a porrada em todos mafiosos e bandidos espalhados pela cidade, sem contar que ainda tem alguns itens ”mágicos” que deixam seu personagem com um upgrade bem absurdo no combate, aí que os movimentos se tornam ainda mais plásticos.

Temos um mundo semi-aberto onde podemos andar mas não com aquela liberdade que vemos em alguns jogos, mas nem por isso o jogo é aquela coisa linear, você tem várias side quests espalhadas pela cidade, e pode decidir o que fazer e como fazer.

O jogo conta com uns bugs bem esquisitos, principalmente no combate, os inimigos quando são derrotados muitas das vezes saem voando como se fosse uma geleia, sem contar que em algumas cutscenes personagens que estão passando no fundo do nada desaparecem ou aparecem.

Aqui continuamos com aquele sistema do jogo anterior, onde você tem que investigar os lugares para descobrir provas, fazer perseguições furtivas e outra bem alucinantes cheia de plasticidade, só que agora temos novas ferramentas para ajudar na investigação.

Além das missões principais da historia ainda temos uma enormidade de side quests pelo manda que servem principalmente para ganhar mais pontos e dinheiro, os pontos servem para desbloquear novas habilidades e o dinheiro para comprar itens de cura ou que dão um upgrade para seu personagem.

Lost Judgment

Gráfico e Som

Como já é de costume os gráficos aqui são bem bonitos, inclusive nos consoles na nova geração é possível escolher entre focar na resolução ou no desempenho.

Principalmente em personagens principais e alguns secundários que são importantes, dá para notar claramente uma grande evolução em relação ao jogo anterior.

A cidade também é bem construída e bem bonita, apesar de em alguns momentos você ver aquela parede meio embaçada, um cenário dando uma renderizada, mas nada de tão absurdo.

Na hora que iniciou a gameplay já foi perceptível de cara a evolução gráfica, eu só ficava falando ”pô o jogo tá bonito, tá bem bonitão”.

Como já é de costume o jogo se passa em um mundo semi-aberto, ele é relativamente grande mas tem certos limites, seu personagem não é completamente livre para andar por todos lugares, mas isso não tira e beleza das cidades de Kamurocho e Isezaki Ijincho.

A parte sonora é como sempre ótima, vemos vários resquícios da franquia Yazuka presente aqui, com aquelas músicas bem tradicionais da cultura japonesa, e outras que servem para dar aquele toque mais cinematográfico ao jogo.

Esses jogos japoneses geralmente demoram pra chegar ao grande público e mesmo assim quando chegam, vemos que eles não tem nem uma legenda em PT-BR, apesar do mercado brasileiro não ser o foco aqui é um dos lugares onde mais se consome jogos, então pelo menos uma legedinha de leve poderia ter.

Lost Judgment

Conclusão Lost Judgment

Lost Judgment é uma sequencia bem digna do primeiro jogo, eles pegaram tudo que deu certo e conseguiram aprimorar ainda mais, jogo tem uma grande história, personagens bem cativantes, uma gameplay super frenética e gráficos bem bonitos, tudo beirando a perfeição, só deixa a desejar por tem alguns bugs bem estranhos e a falta de uma legenda PT-BR.

Pontos Positivos
  • Gameplay frenética;
  • Gráficos lindos;
  • História espetacular.
Pontos Negativos
  • Bugs estranhos;
  • Sem legendas PT-BR.

Lost Judgment já está disponível na Microsoft Store por R$299,95.

Essa análise foi feita em um console Xbox Series S/X.

Você pode nos seguir no YouTube, Twitter, Instagram ou Facebook para ficar por dentro das novidades mais recentes da família Xbox. Se quiser, pode ver outras análises feitas pelo nosso time clicando aqui.