The Division 2 – Análise/Review

Um exemplo perfeito de como uma sequência deve ser

2019 está sendo um ano SENSACIONAL para nós gamers, dezenas de títulos fodásticos foram e serão lançados, e UM deles, em especial, estava na minha lista TOP 3 de games que eu precisava, esperava e estava devidamente ANSIOSO para colocar minhas mãozinhas. análise the division 2

The Division 2, desenvolvido pela Ubisoft, chegou ‘chegando’ com a promessa de ser o melhor jogo no segmento, e para ter certeza e não decepcionar vocês com uma opinião furada, jogamos mais de 200 horas (combinadas entre a equipe da Central), pra analisar TUDO que o jogo pode oferecer. Confira como foi a nossa experiência.

Depois de passar horas na campanha principal, e explorando as dezenas de atividades extras, posso dizer com segurança que o The Division 2 é o melhor shooter TPS que já joguei na vida.

Apesar de seguir o mesmo loop principal do seu antecessor, todos os ambientes possuem diferentes pontos de vista e riscos, promovendo uma grande variedade de estratégias que ao mesmo tempo ajudam a destacar o visual variado dos inimigos, além da excelente mecânica de tiroteio que foi melhorada de forma impressionante. Todas essas mecânicas unidas, brilham ainda mais no final do jogo.

The Division 2 é beeeeeem maior e mais extenso do que o seu antecessor, o longo caminho das missões acabam sendo ainda melhor do que a excelente campanha, e as Zonas Cegas continuam o grande ponto desafiador para jogadores hardcore e casuais.

Cada uma das missões principais foram cuidadosamente criadas para se destacar perante um vasto mapa que aos poucos se transforma em uma árvore de natal, de tantas coisas que podem (e devem) ser feitas.

A Ubisoft tornou a rotina do jogo muito mais agradável e variada, em vez de colocar cada missão em locais sem nenhuma identidade central, desenvolveram cada nível com um DNA próprio e completamente único para o resto do jogo. Em uma missão, você explora o Museu de História Americana, repleto de exposições interessantes, já em outra você está na sede da Administração Espacial a caminho do Memorial Lincoln, dedicado a um dos Presidentes mais importantes da história dos EUA.

The DIVISION 2 é uma experiência viciante e altamente gratificante. Bugs existem, mas no geral é uma experiência altamente polida.

Quanto mais você mergulha, mais você percebe o quão longe você pode aprimorar seu estilo de jogo pessoal e como tudo isso pode realmente influenciar na formato em que você trabalha dentro de um esquadrão também. Solo você se esforça demais e pode ou não funcionar, mas em um esquadrão é mais sobre misturar habilidades para fazer mais pelo time, e você vai querer jogar como um quarteto – ou pelo menos um dueto saudável – para a maioria das missões posteriores e para as Fortalezas, porque elas não são nada fáceis.

As missões da história se concentram no enredo abrangente sobre a restauração da ordem depois de uma pandemia viral. Seis meses depois do original, você enfrenta quatro grupos: Herdeiros, Hienas, Exilados e Patas-Negras.

Infelizmente, a história principal não é algo que vai te cativar tanto, mas não é entediante. Existem alguns momentos que mostram a gravidade do que está em jogo, mas a história é bastante clichê. Conexões emocionais com personagens que você conhece são praticamente inexistentes, porque você não interage com elas de forma consistente. Além disso, o diálogo parece estranhamente impessoal a ponto de às vezes ser difícil ver os personagens como pessoas, e sim como robôs.

Apesar dessas pequenas situações ocasionais, o desafio nunca parece injusto. Você simplesmente tem que descobrir a estratégia certa para tiroteios complexos. Normalmente, isso implica evitar sair ‘rushando’ para planejar com antecedência.

Leia Também:  Estes 5 jogos irão deixar o Xbox Game Pass em Junho

Falando em ‘Rushar’, os inimigos foram cuidadosamente trabalhados para proporcionar um desafio muito maior para ambos os lados. Existem inimigos de barra vermelha, sem escudos, onde você terá maior facilidade em eliminar, porém, não deixe esse detalhe te fazer pensar que tudo está tranquilo, muita gente cai sem saber de onde veio o tiro. Se você estiver vacilando, fora de cobertura de proteção, eles podem acabar com seu escudo em questão de segundos.

Além disso, os inimigos agora possuem diferentes tipos de comportamento os quais você deverá observar antes de atacar. Alguns possuem rifles de precisão, ficando cuidadosamente atrás da cobertura, outros tentam flanquear você com rifles de assalto ou escopetas, enquanto isso, as Hienas malucas correm para cima de você sem se importar com a própria vida e, às vezes, com bombas-relógio grudadas no peito. E PELO AMOR, QUE IDEIA SENSACIONAL foi essa de homem-bomba ein?

Graças ao cuidado dedicado a inteligência artificial, inimigos agora pensam antes de atacar.

As facções agora possuem blindados de elite. Inimigos de nível roxo têm escudos difíceis de perfurar, armas devastadoras como lança-chamas e habilidades tecnológicas que incluem a criação de carros controlados por rádio com bombas acopladas. Inimigos de nível verde são figuras gigantescas e brutais com escudos extremamente fortes. Eles também podem carregar lança-chamas, machados mortais e metralhadoras obscenamente poderosas. Já os inimigos amarelos são os mais formidáveis ​​no jogo, e eliminar essa galera não será uma tarefa fácil para apenas um agente.

Para vocês terem uma ideia, numa missão subterrânea, enfrentei três chefes seguidos. Um foi foda matar, o segundo tinha recursos de cura para reviver seus amigos e o terceiro e último tinha um lança-chamas com um alcance inacreditavelmente longo, tornando o dano ainda mais potente por todo ambiente.

Essa é a melhor parte sobre a quebração de pau em Division 2. As ondas de inimigos se afunilam numa área específica, mas graças ao seu design inteligente, não se torna algo rotineiro. Infelizmente a IA não se estende aos seus aliados, durante as missões em que você tem que proteger as pessoas, elas fazem coisas BACANAS (#SQN) como correr diretamente para os inimigos. Olha ta de parabéns viu!

A Ubisoft realmente MANDOU BEM com OS detalhes estatísticos sobre armas e equipamentos na Divisão 2.

A mecânica dos equipamentos também é muito mais evoluído do que o formato anterior, simplesmente porque as armas são mais realistas se tratando de recuo, som, peso e precisão. No começo, eu usava principalmente um rifle de precisão combinado com uma submetralhadora. No entanto, o design variado do inimigo me forçou a experimentar diferentes combinações e isso foi incrível. Por horas eu acreditava que usar uma espingarda não se encaixava na jogabilidade. Então eu conheci maluco amarelo do lança-chamas e isso mudou meu pensamento.

Outra coisa nova e que me faz afirmar que Division 2 é um jogo Gigantesco: Dentre as oito habilidades de agente como drones, torretas, escudos portáteis e lançadores de produtos químicos, você terá a chance de aprender e utilizar cada uma delas para os momentos corretos. Mesmo pensando que habilidade A ou B não serve para nada, muita coisa virá pela frente e determinará com qual delas você deverá equipar para tentar se manter vivo.

As atividades do mundo aberto e o conteúdo do final do jogo alimentam o objetivo principal de criar o melhor agente possível. Ambas as missões secundárias e atividades abertas, como Pontos de Controle – eventos de captura de território – me mantiveram comprometido não apenas por causa do combate tático e difícil, mas pelo LOOT que eu sabia que poderia garantir meu futuro.

Leia Também:  Keanu Reeves terá participação significativa em Cyberpunk 2077

Depois da história principal, a verdadeira caçada por melhores equipamentos começa. Você encontrará os Patas-Negras que ocupam novas áreas do mapa e possuem dez missões desafiadoras. Embora essas missões ocorram nos mesmos cenários das missões anteriores, nunca me senti entediado. Pequenas mudanças nos objetivos ajudaram, mas a principal razão pela qual a linha de missão final é grande é por causa dos próprios Patas.

Eles são os inimigos mais inteligentes do jogo e usam muito as técnicas de flanqueamento. Durante as batalhas eles irão utilizar robôs chamados Warhounds que parecem saídos diretamente da SKYNET. Esses bichos mecânicos podem te detonar rapidamente e são fortemente blindados. Outros criam vários drones que se prendem à sua posição e explodem quando estão próximos.

Para ser o melhor e mais poderoso Agente do jogo, você vai precisar subir seu Nível Mundial (Tier) onde terá acesso aos equipamentos mais poderosos. O objetivo é combinar uma pontuação acima de 500 de equipamento para enfrentar o que vem pela frente. Só para te dar uma ideia, você vai estar com metade disso após finalizar todas as missões do jogo, então pode se empenhar!

Tenho que tirar o chapéu, a Ubisoft foi fundo nos detalhes das armas e equipamentos. Cada peça é graduada e codificada por cores; de padrão a especializada, de superior para exótico. Quanto mais alto você chegar na balança, mais bônus e truques estatísticos elas tendem a ter. As descrições de armas listam não apenas itens básicos como danos e RPM, mas também o dano de drop-off por distância.

Você pode testar as armas em busca de eficiência no campo de tiro para ficar realmente granular com suas escolhas de equipamentos. As estatísticas de armadura são influenciadas ainda mais pelos conjuntos de marcas que recompensam os bônus por armas, habilidades, saúde e muito mais. Criar sua build mais formidável às vezes exige um pouco de criatividade, mas é sempre uma alegria misturar e combinar equipamentos para encontrar o que funciona melhor. Se você é o tipo de jogador que adora ver como cada peça de equipamento afeta sua criação, The Division 2 tem um excesso de informações à sua disposição.

As Zonas Cegas adicionam ainda mais caminhos para encontrar novos itens e melhorar sua Build. As três zonas PvE / PvP híbridas são onde o jogo provavelmente crescerá com o tempo. A partir de agora, você pode tentar aliviar marcos de inimigos poderosos e entregar equipamento contaminado de volta à segurança ao lado de amigos.

Ao contrário do primeiro jogo, você tem a opção de se abrir ou não para confrontos PvP em duas das Dark Zones. A Zona Cega ocupada, por outro lado, não normaliza as estatísticas do seu equipamento e o fogo amigo está ativado. Esta zona cruel recompensa aqueles com a melhor compilação e tática. Neste ponto, as Zonas Cegas são um pouco carentes de direção e os ambientes não são tão interessantes quanto o mapa principal, mas tudo é extra depois de mais de 50 horas de diversão.

Micro-transações

Sim, elas existem, porém tudo o que você pode comprar com dinheiro real é puramente cosmético. Você pode trocar seus Talkeis$ por Créditos Premium para comprar skins de armas, roupas, itens de saque e outros. Em tempo, você também poderá ter acesso a esses tipos de itens cosméticos sem gastar dinheiro real, é só jogar MUITO …

análise the division 2

REVER GERAL
Nota do Autor
9.5
Natural de São Paulo - BR, atualmente morando na Florida - USA, tem mais de 20 anos de experiência com Planejamento, Criação e Marketing, ama música, toca bateria e seu principal hobby são os Games.