Primeiro de tudo, esse artigo não é algo pessoal e passional, ou seja, não estou escrevendo por simplesmente odiar a Sony (o que não é verdade) ou por amar a Microsoft (o que pode ser verdade). É uma análise econômica e séria das duas empresas baseada no que elas mesmas adotaram como estratégia nas últimas duas décadas.

 

 

Vamos falar sobre a Sony. Em 1992, ela lançou uma tecnologia chama MiniDisc, que é muito parecido com o nosso mp3. Era um aparelho com conteúdo de gravação digital, você não precisava queimar como um CD para gravar algo e diferente do walkman, você poderia passar as faixas rapidamente, pois era tudo digital. Tudo isso, foi uma década antes da Apple lançar o iPod, inclusive o iPod foi desenvolvido por um ex-funcionário da Sony, e a ideia do Jobs era que o produto fosse desenvolvido como se fosse um produto da Sony.

iPod dos anos 90
iPod dos anos 90

Então, primeira pisada na bola da Sony aqui: Poderia, muito antes da Apple já ter entrado no mercado de mp3 e ganhado espaço.

Mas esse nem é o principal problema da Sony…

Geralmente, empresas de eletrônicos não perdem muito tempo tentando descobrir como seus clientes conseguem seus conteúdos. Empresas como Samsung estão nem aí como você conseguiu a terceira temporada de Game of Thrones desde que você assiste em uma TV Samsung.

Já empresas que possuem conteúdos próprios, como a Sony, tem uma opinião diferente. Geralmente ela quer seu conteúdo bloqueado com direitos digitais em seus equipamentos prevenindo que as pessoas se utilizem de métodos ilegais para adquirir conteúdo de entretenimento.

O problema em si, é que a Sony é tanto uma empresa de conteúdo, como a Sony Pictures ou Sony Records, como uma empresa de eletrônicos. Isso faz com que os seus rivais tenham uma enorme vantagem, oferecendo produtos que são mais amigáveis ao consumidor.

Outro enorme problema, é que os produtos da Sony são inteporáveis. Ao longo dos anos, a Sony criou seus próprios formatos de mídia. Enquanto alguns como CD e BluRay se tornaram padrões na indústria, a maioria dos outros formatos competem com outros formatos mais amigáveis no mercado.

 

Além do MiniDisci, a Sony possui outros formatos como UMD, Video8, DAT, TransferJet, S/PDIF, Memory Stick, Super Audio CD, Cell Processors e Betamax. Alguns desses formatos sumiram sem deixar vestígios.

O maior problema nem era que esses formatos não funcionariam em outros aparelhos de outras empresas, eles se quer funcionavam nos próprios aparelhos da Sony. Não havia garantias que um Sony Vaio tivesse S/PDIF para o seu microfone ou um drive de disco para o seu MiniDisci player.

E o pior problema de todos, é que a Sony possui várias plataformas. Imagina que cada criador de um dispositivo da Sony quisesse criar sua própria plataforma? Foi exatamente isso que aconteceu.

Os antigos Sony Clie PDAs rodavam Palm OS, o Sony Vaio roda Windows, o Sony Ericsson rodava Symbian, o Playstation possui seu próprio software. Em outras palavras, os dispositivos da Sony não compartilham da mesma plataforma, significando que programas criados para um dispositivo não funcionaria para o resto.

Cada divisão da Sony trabalhava de forma isolada, a colaboração entre as divisões era limitada, e acabava resultando em produtos que geralmente não funcionavam juntos como deveriam.

 

Agora, vamos falar da Microsoft. A empresa não tem histórico de trabalhar com divisões isoladas. Tudo que ela possui, precisa funcionar em todos os componentes sem muitas complicações.

Só para se ter ideia, a Microsoft produz: Sistema operacional, computadores, vídeo game, softwares, aplicativos, periféricos como mouses/joystick/teclados, servidores como SQL, firewall, Microsoft .NET, navegador de internet além ainda de ter portais online como MSN, Windows Live, OneDrive e Hotmail. E isso é só um resumo do que a empresa produz e tudo isso conversa entre si. O Xbox One é beneficiado de tudo isso.

Então a palavra chave aqui, é “sinergia”. Sinergia é quando uma empresa funciona como um todo, onde todos os trabalhos se completam.

Então, respondendo ao título dessa questão, se você GOSTA fica a você decidir qual console prefere, mas se pensarmos no futuro das duas empresas, a Microsoft tende a crescer ainda mais e cada vez mais desenvolver novas tecnologias para o Xbox One, enquanto a Sony está ficando para trás. Isso foi claramente mostrado quando a Sony falou que seu aparelho é vídeo game e não uma estação de entretenimento (enquanto estações de entretenimento é uma tendência pro futuro) ou quando a Sony simplesmente sem motivos algum recusou o EA Access, o que acabou beneficiando os jogadores da Microsoft.

A saída para o Playstation no futuro é ser absorvido por uma grande empresa como uma Samsung ou uma Apple, podendo usufruir de um software de verdade como o iOS ou o Android e podendo ter o mesmo tipo de Sinergia que a Microsoft aplica ao Xbox One.