Killer Instinct

Nós jogamos e agora vocês podem acompanhar conosco este pequeno review. Bora conferir?!

Um game que poderia sim, ser “system seller”, mas só que não.

O primeiro KI saiu para o já longínquo SNES, e acredito que praticamente todos que estão lendo este review sentem um pouco de saudades sobre o que ele representou para o mundo dos games.

A qualidade gráfica para a época ultrapassava os limites do pequeno console da Nintendo, com efeitos de luz, cores saturadas e personagens cheios de carisma. Sem contar o cartucho preto que era sensacional!

Veja nosso Review através do Videocast:
[youtube id=”Enter video ID (eg. Wq4Y7ztznKc)” width=”600″ height=”350″]

Jogabilidade

Estamos falando de um uma jogabilidade muito bem balanceada. Movimentação, golpes, combos e área de hit bem definidas. Você irá se divertir e em algumas vezes se perguntar se não está jogando a Street Fighter, dada a semelhança de movimentação e golpes. A insanidade de encaixar combos enormes deixa o jogo muito dinâmico e qualquer vacilada no controle você vai ver o seu adversário trucidar o seu personagem. E não podemos esquecer de falar dos Combo Breakers e também do Ultra Combo. Eles estão ai, e podemos dizer que é animal vê-los acontecendo!

Gráficos

Visualmente, KI é cheio de efeitos de ótima aparência, como as explosões de faíscas que sopram para fora da bola de fogo do Jago quando ele cai ou a chuva, que cai cada vez mais  em um dos cenários com o avanço da luta. Ver o efeito da água escorrer pelos personagens é um efeito bem legal, já os figurinos dos personagens são simplistas, no entanto.

Leia Também:  DLC do Casino está chegando ao GTA Online

null

Áudio

O áudio do jogo não compromete, apesar de não ser nada espetacular. Ambientação e lutadores tem uma dublagem razoável, mas o que faz os nostálgicos ficarem malucos mesmo são narrações, com seus combos, ultra combos e combo breakers! Isso sim é felicidade pura, além de que caso você ganhe moedas suficientes, poderá ter acesso a alguns dos “Killer Cuts” originais da trilha sonora para usar em modo treino.

Multiplayer

O multiplayer do jogo é consistente. Não podemos esquecer que estamos falando de um jogo de luta, então as opções para este modo são obvias. Escolha um personagem, encontre alguém e parta para a porrada! O Match Making não é dos melhores, em alguns casos precisamos esperar por vários minutos até encontrar um adversário.

Conquistas

O jogo possui muitas conquistas, mas infelizmente se você for viciado nelas irá ter que abrir essa mão aí e gastar com todos os personagens disponíveis se quiser conquista-las.

Leia Também:  Fortnite quase foi cancelado, diz ex-diretor de produção da Epic Games

Veredicto

A casa de Redmond perdeu uma grande chance de criar um verdadeiro Blockbuster para o lançamento do One. A ideia de transformar Killer Instinct em um game freemium não agradou sendo bem sincero não agrega.

Pouco conteúdo inicial, nenhuma história, fator replay baixíssimo (até que sejam lançados novos personagens, ou coisas do gênero) e o fato de termos apenas um lutador disponível quando fazemos o download pela Microsoft Market nos mostra o que poderá ser uma tendência do mercado para os próximos anos, uma pena, na opinião deste que vos escreve.

E para finalizar. A essência está lá, na sua tela em HD (mesmo que escalonado), nos seus variadíssimos combos, mas aquilo que o jogo representou ficou guardado na memória daqueles que um dia fizeram aquela festa com os amigos em volta do seu Super Nintendo e suas tvs de tubo.

E aí, que acharam? Concordam, não concordam? Queremos saber a opinião de vocês e fiquem ligados que estamos preparando novos reviews e gameplays dos games que foram lançados junto com o xOne.