Análise XCOM2

XCOM é uma clássica franquia com temática alienígena lançada originalmente no ano de 1994. Em 2012, O Xbox 360 recebeu um reboot do jogo original, sob o título de XCOM: Enemy Unknown. xcoanalise

O jogo se passa 20 anos após os eventos do primeiro título, porém, em um futuro alternativo onde a raça humana não venceu a guerra, mas sim, se rendeu à ameaça alienígena. Mas ao contrário das previsões iniciais os humanos não foram destruídos, mas escravizados.

Campanha

Esqueça tudo o que foi criado pelo jogo anterior. A história aqui se passa em um universo alternativo e os humanos não venceram a guerra.

Isso mesmo! Todo o esforço que você fez para salvar a raça humana no primeiro título ficou para trás e agora teremos uma nova batalha pela frente.

O XCOM do título original era o braço armado do Comando das Nações (uma espécie de ONU no universo do game) e você era o capitão desta armada.

Neste universo alternativo, o XCOM é uma resistência contra a dominação alienígena e vocês agem nas sombras.

Pode parecer que não mas isso muda substancialmente a dinâmica do jogo, principalmente pelo fato de que agora suas táticas terão uma condição muito mais ofensiva do que apenas de defesa.Análise XCOM2Apesar da drástica mudança, a história original se mantém em muitos aspectos e os jogadores mais familiarizados com a franquia não se sentirão órfãos por completo.

A campanha se divide em dois grandes focos. Primeiramente, você aprenderá os comandos para a realização das ações táticas e desenvolvimento ao longo do jogo, no estilo já consagrado pela série.

Jogabilidade

A grande sacada de XCOM 2 está na sua jogabilidade. Primeiramente, pela ação tática, na qual você controla um esquadrão de quatro a seis soldados em missões com um nível de dificuldade considerável.

Os objetivos são os mais diversos possíveis e vão desde posicionar-se no local mais estratégico possível para a realização de uma emboscada à ação frenética e tiroteio descontrolado.

Apesar de ser um título jogado por turnos, os combates são cheios de adrenalina, principalmente pela necessidade de executar o comando correto, no momento correto.Análise XCOM2O segundo ponto de destaque na jogabilidade está na administração de recursos. Assim como no primeiro título, você enquanto líder do XCOM deverá administrar recursos, desenvolver pesquisas em tecnologia e, aos poucos, aperfeiçoar a base do XCOM.

Missões

Estas missões são quase que uma mudança de 180 graus na condução do jogo, mas complementam o título de forma incrivelmente simbiótica.

Isso significa, principalmente, que suas ações em uma das bases pode influenciar o resultado que a resistência terá em outra localizada logo ali ao lado ou do outro lado do mundo.

Suas ações terão efeito em cadeia, deixando este lado da estratégia muito mais detalhada (e difícil!!) de se executar.

O que você deve ter em mente ao jogar XCOM 2 é que suas ações terão consequências, e tudo, absolutamente tudo dentro da sua estratégia tem um custo.

Nem sempre custo monetário, para sermos mais claros, mas sim, custo de tempo, turnos e às vezes, soldados.

Realizar pesquisas, desenvolver novas tecnologias ou recrutar novos soldados consome tempo e recursos adquiridos ao longo da campanha e o uso racional e estratégico é mais do que recomendável.Análise XCOM2Outra opção presente no game e que torna a experiência ainda mais imersiva: você pode criar os seus próprios soldados dando a eles formas, rostos e habilidades diferentes.

Apesar de se perder algum tempo na criação dos seus aliados de batalha, esta função acaba por dar um pouco mais “da sua cara” à experiência do jogo, tornando cada campanha executada diferente da outra.

Tivemos também em alguns momentos um pouco de estabilidade na engine do jogo. O principal problema que enfrentamos foi a queda dos frames durante cenas com grande quantidade de ações acontecendo ao mesmo tempo, como por exemplo, as animações durante as batalhas (que por sinal, tornam o combate super divertido e eletrizante). Exceto por este detalhe, a mecânica do jogo é sólida e não decepciona.

Gráficos e Som

Os gráficos de XCOM 2 são aceitáveis dentro do padrão de jogos de estratégia. Não consegue ser o título que se destaca à frente de outros inúmeros outros com propostas diferentes no mercado, mas agrada no que apresenta.

Os principais problemas que identificamos foram alguns serrilhados, texturas com baixa qualidade e, para algumas personagens, baixas texturas.

Os alienígenas são bem detalhados e as raças são bem diferentes umas das outras, dando ao título maior diversidade e quebrando um pouco a sensação de mais do mesmo.

Os cenários, por sua vez, são detalhados e variam com bastante regularidade. Os campos indicados para a realização de algumas ações contribuem sobremaneira para a execução de algumas ações dentro do jogo.Análise XCOM2A trilha sonora é semelhante a do primeiro jogo, não se destacando como a mecânica de jogo e a proposta de estratégia. Cumpre seu papel dentro do esperado, porém, com algumas falhas nas dublagens. Em um ou outro momento, identificamos algumas falas dessincronizadas, mas nada que pudesse prejudicar a experiência de jogo.

Conclusão

XCOM 2 é um jogo diferente da grande maioria dos títulos que você encontrará no mercado e consegue superar seu antecessor em diversos pontos, apesar de conservar algumas pequenas falhas. Em sua grande maioria, há uma compensação digna e o título mantém a sua qualidade em quase toda a experiência de jogo.

Não espere um título tranquilo para jogar com os sobrinhos em um sábado a tarde. Espere encontrar bastante desafio em uma proposta que te levará a pensar com calma em todas as ações executadas durante o jogo e, principalmente, uma sólida experiência de estratégia, melhor que muitos jogos de tabuleiro por aí.

XCOM2 já está disponível na Microsoft Store por R$249,00.

Análise XCOM2

REVER GERAL
Gráficos
7.5
Jogabilidade
8
História
9
Som
7.5
Campanha
7
Natural de São Paulo - BR, atualmente morando na Florida - USA, tem mais de 20 anos de experiência com Planejamento, Criação e Marketing, ama música, toca bateria e seu principal hobby são os Games.